domingo, 21 de julho de 2013

DÍZIMO, SEGREDO DO SUCESSO?



Recentemente tenho visto algumas pessoas postando na internet um vídeo que diz ser o jogador Neymar dizimista desde criança. O vídeo se encontra no youtube. A conclusão é que isto seria o segredo de todo seu sucesso como jogador de futebol. Tá bom!

Antes de qualquer coisa, quero dizer que Neymar é abençoado por uma habilidade futebolística diferenciada. Isto se chama Graça Comum, que nada mais é que a bondade de Deus distribuída para todas as pessoas podendo ser identificada na realização de alguma admirável atividade. Por exemplo: quando ouvimos belas canções, como a 9ª Sinfonia de Beethoven, Tom Jobim e outros, ou mesmo ao assistirmos uma apresentação da bailarina Ana Botafogo, ou presenciamos grandes feitos da humanidade temos que enxergar em tudo isto o agir do nosso grande e Todo Poderoso Deus.

Na verdade, a conclusão que muitos estão tirando do vídeo constitui um grotesco erro tanto bíblico quanto teológico. Por uma falta de entendimento da natureza de Deus e do real sentindo de seus mandamentos, muitos inferem que a declaração de Malaquias 3.10 se aplica como uma verdade independente dos demais versículos bíblicos. Logo, quem dizima, independentemente de sua conduta moral, seria abençoado por Deus.

No entanto, em nenhum lugar da Bíblia encontraremos o ensino – hoje tão difundido – de que a simples entrega do dízimo acarretará em bênçãos para a pessoa. Deus, antes de exigir a entrega de parte do que Ele nós dá, nos ordena a entregarmos por completo as nossas vidas ao Seu inteiro cuidado. Precisamos primeiro ser aceitos por Deus, para em seguida Ele aceitar aquilo que nós ofertamos. Em Gn. 4.5 a Bíblia diz que Deus, por não ter aceitado a conduta de Caim, recusou também sua oferta. Veja que no versículo 4 Deus primeiro aceitou Abel e logo em seguida diz que sua oferta foi aceita. Davi, no Sl. 51.16,17 diz que Deus não se agrada de sacrifícios, mas de um coração arrependido dos seus pecados. Quando isto se faz presente na vida de uma pessoa, o salmista diz que Deus aceitará suas ofertas (Sl. 51.19).

Em relação ao texto de Ml. 3.10, precisamos entender esta declaração com o todo do livro. Assim como as palavras só podem ter sentido em uma frase, um versículo da Bíblia só terá significado em seu próprio contexto literário.

Deus não somente exigiu no livro de Malaquias a entrega do dízimo. Em Ml. 1.6-14 o povo oferecia constantemente sacrifícios impuros durante o culto, o que constituía numa afronta a santidade de Deus. Deus ordena, com isto, que o culto ao Seu nome deveria ser santo. Em Ml. 2.1-9 os sacerdotes passaram a ser negligentes em suas funções durante o culto. Como resposta, Deus exige mudança e um retorno ao correto ensino de Sua Palavra.

Já em Ml. 2.10-16 havia se tornado normal a infidelidade conjugal diante da prática costumeira do divórcio. Encontramos aqui Deus exigindo uma vida conjugal moldada pelos padrões da Escritura Sagrada. Ml. 2.17-3.5 é dito que o povo acusou Deus de ser imoral ao afirmar que Ele se agradava com os que praticavam o mal. Neste ponto, Deus informa que purificaria Seu povo e traria juízo aos que não mudassem de conduta. Somente depois te todas essas exigências é que Deus fala em Ml. 3.10 que o povo deveria entregar os dízimos, pois estavam demonstrando infidelidade também, e não somente, no aspecto financeiro. A fidelidade na entrega dos dízimos fazia parte de um todo maior, neste caso, fidelidade a Deus em todas as áreas da vida.

A máxima de tudo isto é: Deus se relaciona com o ofertante e não com ofertas ou dízimos. Logo, se não estamos dispostos a entregar nossas vidas, não terá nenhum sentido dedicarmos parte de nossa renda.

8 comentários:

CLODOALDO PEREIRA CIDADE disse...

Muito bom o artigo Pr Anderson Quiroz. Deus continue iluminando o seu entendimento das Escrituras.

Anônimo disse...

Uma orientação importante para igreja. Um ‘coração quebrantado’ ---isso que Deus quer de nós. E tudo que ofertamos ao Senhor (além $) deve condizer com a presença de Jesus em nossas vidas.

Anônimo disse...

Parabéns, muito oportuno esse artigo, cada vez mais as pessoas fantasiam acerca das verdades divinas, o Reino do Deus não é uma Empresa, a fé não é um atributo comercial e as benções de Deus não são mercadorias de troca. Quando queremos ter amigos, amor, solidariedade, respeito, dignidade, não pagamos ou negociamos esses valores. Deus não negocia seus valores muito menos abençoa as pessoas como se fosse um leilão, Deus simplesmente permite que o mundo seja natural e respeita as escolhas, sabendo porém que por todas essas coisas nos trará a juízo. O maior de todos os segredos e entregar a vida jesus e depender dele!!!

minha ciencia disse...

Muito bem esclarecido! Hj os pastores, acredito eu, não têm coragem de fazer uma exegese desse texto cm vc fez,a final de contas é muito mais fácil manipular do que ensinar com amor o caminho certo. Pois devem temer que os crentes retenham o dízimo e realmente falte os mantimentos básico pra se manter uma igreja e o digno sálario que tem direito, ou em alguns casos, falte msm o dinheiro que mantém os padrões de vida riquíssimos de muitos pastores por ai a fora. Anderson, q o Espirito Santo traga-lhe sempre o discernimento necessário para conduzir o povo de Deus com sabedoria e Amor!

Ministério CIELO disse...

Muito oportuno, principalmente pq essas in-verdades se propagam de forma muito rápida, distorcem, enganam e distraem as pessoas para o alvo maior, JESUS CRISTO! Esclarecimento perfeito, ofertamos primeiro a nossa vida, depois retribuímos a Deus parte do q nos deu. Parabéns meu querido irmão, seus textos edificam, instruem, esclarecem e nos deixam com sede por mais conhecimento da Palavra.

Cleber Roseira disse...

Muito bom o contéudo do blog meu querido Pastor anderson que Deus continue te abencoando.

Silas Sobral disse...

Excelente, texto bastante esclarecedor.

Silas Sobral disse...

Excelente, texto bastante esclarecedor.